15 a 20


Oposição calcula vencer com 15 a 20 votos de diferença

 Quinta-feira, 26 de junho de 2008 – 13:25h

Roberto Dinamite comemora a vitória
Crédito da foto: Rodrigo Castro/GLOBOESPORTE.COM
Grandes beneméritos

Por Paulo Vinicius Coelho – Lance!
A história do Vasco é feita por grandes vascaínos. É assim desde a fundação, ou desde que os comerciantes começaram o processo de doações para a construção de São Januário, em 1926. Os rivais argumentavam que o novo integrante da Primeira Divisão precisava ter um estádio. Os portugueses cuidariam do assunto.

Beneméritos vascaínos foram também os comerciantes de outros tempos. Faziam doações ao clube e, em troca, recebiam uma carteirinha com a descrição da benfeitoria. Sempre tiveram direito a voto, como terão na eleição que pode mudar a história do Vasco.

Os conselheiros natos vão decidir a eleição. Aí pode estar a maior benfeitoria. Dos 150 beneméritos com direito a voto, muitos não têm a história daqueles grandes vascaínos do passado. A oposição acusa Eurico Miranda de ter escalado como conselheiros gente cujas únicas benfeitorias foram realizadas em prol do presidente. Um desses é Ricardo Vasconcelos, assessor pessoal de Eurico Miranda, de quem foi opositor até o final dos anos 90.

Roberto Dinamite aposta ter conquistado votos de 50 beneméritos. Eurico Miranda garante ter controle sobre 98 dos 150 com direito a voto.

As duas contas são possíveis, mas não prováveis, porque não parece viável que 148 senhores – alguns na casa dos 90 anos – compareçam à eleição.

O candidato da situação, Amadeu Pinto da Rocha, é grande benemérito vascaíno. Tão grande que há quem aposte que a simples menção a seu nome cativará mais do que os 98 conselheiros natos, em que Eurico Miranda confia. O grupo de Amadeu Pinto da Rocha crê numa eleição apertada, vencida por um ou outro grupo, por margem não superior a quatro votos. José Henrique Coelho, líder da oposição, tem segurança de vantagem maior a favor de Roberto Dinamite.

–Venceremos por diferença entre 15 e 20 votos.

Ganhe um ou outro, Eurico Miranda deixa o futebol na sexta-feira. Sairá sem precisar explicar por que, por exemplo, aceitou 70 mil reais mensais de um contrato de patrocínio da Reebok, em vez dos 150 mil pagos pela Umbro, no contrato anterior. A antiga fornecedora de material esportivo foi à Justiça e pode tirar do Vasco 2 milhões de reais por rescindir unilateralmente um contrato em vigência.

Os opositores garantem que a saída de Eurico servirá também para colocar novos parceiros em São Januário. O presidente do grupo Monteiro Aranha, Olavo Egydio Monteiro de Carvalho, jura que no dia seguinte à saída de Eurico uma legião de benfeitores vascaínos entrará em São Januário, dispostos a ajudar na reconstrução do clube.

Esses trabalham para tornar certo o que hoje parece provável: Roberto Dinamite presidente. Roberto marcou 708 gols com a camisa do Vasco. Ninguém fez maior benfeitoria.

Anúncios