Na raça, Vasco arranca o empate com o Botafogo


O clássico deste domingo no Maracanã pode não ter sido brilhante tecnicamente. Mas se faltou um pouco de qualidade às equipes em certas ocasiões, sobrou emoção e raça. O Botafogo abriu o placar através de Wellington Paulista, já no segundo tempo, mas o Vasco, mesmo errando muito, foi premiado no fim pela insistência e empatou com Rodrigo Antônio, de cabeça.

Com o resultado, o Botafogo, que teve sua seqüência de seis vitórias consecutivas no Brasileiro interrompida, caiu para a quarta posição, agora com 38 pontos e encara na próxima rodada o Náutico, no Engenhão. Já o Vasco, que enfrentará o Grêmio, no Olímpico, passou a somar 26 e está na 14ª colocação.

Os dois times iniciaram o clássico a partida sob intensa correria. Sem Madson, surpreendentemente barrado por Tita, as jogadas de ataque cruzmaltinas se concentraram em Alex Teixeira, sempre pela esquerda. Edmundo, recuado, se tornou um legítimo armador de jogadas.

O Botafogo, por sua vez, centralizava demais as jogadas, muito porque Thiaguinho e Triguinho ficaram presos à marcação de Alex e Wagner Diniz, respectivamente. Tanto é que, a rigor, a única finalização da equipe comandada por Ney Franco foi através de seu lateral-esquerdo, pouco antes da meia-lua.

Essa mesma posição, no Vasco, provou mais uma vez ser o maior dos tormentos. Pior ainda ficou quando Edu sofreu uma lesão no joelho esquerdo e não teve condições de continuar. Em sua vaga, entrou Serginho, mais um volante da “tropa” de Tita. Com isso, Rodrigo Antônio teve de ser deslocado para a lateral.

Atento às falhas do Botafogo, Ney Franco alertou no intervalo a respeito do afunilamento exagerado e garantiu: “Vamos corrigir essa falta de alternativas pelas laterais. Temos mais posse e volume de jogo, mas nem próximo ao gol do Roberto estamos chegando”.

Não deu outra. O Glorioso voltou muito melhor para a segunda etapa. Ambos os laterais passaram a ir até a linha de fundo com mais freqüência. O Vasco respondia nos contra-ataques empurrado por sua torcida, que fazia um barulho ensurdecedor. Edmundo inclusive chegou a desperdiçar grande chance de cabeça.

No lance seguinte, porém, em falha geral da defesa cruzmaltina, Carlos Alberto chutou à queima-roupa, Roberto ainda rebateu, mas Wellington Paulista, bem posicionado, completou para abrir o placar no Maracanã, aos oito. Com o gol, o atacante quebrou um jejum de nove partidas sem marcar.

Tita, então, resolveu mexer. Como esperado, pôs Madson para explorar o cansaço do meio-de-campo adversário, além de promover a entrada de Marquinho na vaga de Wagner Diniz, o que irritou a torcida, cujos gritos clamavam por Jean.

As alterações, no entanto, não surtiram o efeito desejado. Por mais que tivesse mais posse, o Vasco sofria para traduzi-la em chances de gol. Tranqüilo, o Botafogo prendia a bola e não corria riscos. Os dois atacantes de área, Wellington Paulita e Fábio – que entrou no lugar do titular – se lesionaram e tiraram a referência do setor.

No desespero dos dez minutos finais, o Vasco errava muito e ainda dava espaços, que por muito pouco não comprometeram de vez o jogo. Entretanto, aos 44, Madson bateu falta da direita e bastou a Rodrigo Antônio um leve toque de cabeça para empatar a partida.

Valente, o time de Ney Franco não se entregou e, por muito pouco, não fez o segundo gol com Carlos Alberto. Em um fim de jogo eletrizante, os torcedores só puderam respirar quando o árbitro encerrou a partida.
FICHA TÉCNICA:
VASCO 1 X 1 BOTAFOGO

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 24/8/2008 – 18h10 (de Brasília)
Árbitro: Djalma José Beltrami Teixeira (Fifa-RJ)
Auxiliares: Ediney Guerreiro Mascarenhas (RJ) e Cláudio José de Oliveira Soares (RJ)
Renda/público: R$ 591.550,00 / 35.619 pagantes
Cartões amarelos: Edmundo, Jonílson, Eduardo Luiz e Madson (VAS); Triguinho (BOT)
Cartões vermelhos –
GOLS: Wellington Paulista, 8’/2ºT (1-0); Rodrigo Antônio, 44’/2ºT (1-1)

VASCO: Roberto, Wagner Diniz (Madson, 15’/2ºT), Eduardo Luiz, Jorge Luiz e Edu (Serginho, 41’/1ºT); Jonílson, Rodrigo Antônio, Mateus (Marquinho, 15’/2ºT) e Alex Teixeira; Edmundo e Alan Kardec – Técnico: Tita.

BOTAFOGO: Castillo, Thiaguinho, Renato Silva, Andre Luis e Triguinho; Diguinho, Túlio, Lucio Flavio e Carlos Alberto; Gil (Zé Carlos, 17’/2ºT) e Wellington Paulista (Fábio, 26’/2ºT) (Lucas Silva, 35’/2ºT) – Técnico: Ney Franco.

créditos:http://www.lancenet.com.br/clubes/VASCO/noticias/08-08-24/369236.stm?na-raca-vasco-arranca-o-empate-com-o-botafogo

Anúncios