Campanha Laser nos Estádios, não!


O blog Incondicionalmente Vasco! apoia a campanha lançada pelo Portal Web Vasco: Não ao Laser nos Estádios!

Campanha Web Vasco - Não ao Laser nos Estádios!

“Já tem bastante tempo que a questão do Laser nos estádios de futebol vem sendo assunto debatido tanto no Brasil como no exterior. O uso desses equipamentos por pessoas sem o menor conhecimento técnico, e, pior ainda, apontando contra o rosto de profissionais do esporte, é algo que chega às raias da barbárie.

No último jogo de Vasco X Corinthians foi observado novamente essa prática, e o árbitro colocou o fato na súmula. Apesar da polícia ter identificado a origem, ter tomado as providências e avisado o árbitro, saiu na imprensa esportiva que na súmula não consta essa informação, o que pode levar o Vasco a sofrer punições. Mas afinal, o que leva um torcedor a proceder dessa forma, se o seu time é que será prejudicado?

Importante é saber, em primeiro lugar, se o torcedor que age dessa forma tem algum tipo de conhecimento do que está manipulando. Me parece que não! Vamos primeiro saber o que é efetivamente um “LASER”:

(cuja sigla em inglês significa Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation, ou seja, “Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação”) é um dispositivo que produz radiação eletromagnética com características muito especiais: ela é monocromática (possui comprimento de onda muito bem definido), coerente (todas as ondas dos fótons que compõe o feixe estão em fase) e colimada (propaga-se como um feixe de ondas praticamente paralelas). Nessas duas últimas carcterísticas está o perigo. Para se ter idéia, existe uma classificação de risco biológico para a potência do Laser, que vai do I ao IV. As lojas vendem os lasers como sendo de nível III, porém, pela potência de sáida, a maioria são de nível IV (o mais perigoso). Vejam o que diz o texto da classificação desse nível:

Lasers classe 4 (IV) (mais de 500 miliwatts) podem causar queimaduras na pele e danos permanentes severos ao olho sem o uso de lentes ou equipamento óptico extra. Reflexões difusas também podem causar tais danos à pele e aos olhos. A maioria dos lasers militares, industriais, científicos e médicos estão nessa categoria.

Agora veja as funções encontradas para os lasers que são vendidos livremente na internet e em lojas de artigos importados:

“Estoura Balões, acende fósforos, corta isolante e objetos de cor escura, ultrapassa 15km à noite”.

Não… você não leu errado… Se ele estoura balões e acende fósforos, imagine o que ele não faz com o olho humano… E esses termos são os que os vendedores utilizam como chamariz para vender o produto!!!

Não sei se ficou claro neste ponto, mas as características acima, se colocadas em uma arma ou equipamento bélico, são perfeitamente compatíveis – e este produto é vendido sem nenhum tipo de controle ou fiscalização…

É claro que os “entendidos” (pessoas sem qualificação ou treinamento para manusear o produto) irão lhe dizer que, de longe, o laser não faz mal algum… depois das informações acima, você ainda acreditaria nisso?

Pois bem, a justiça desportiva está punindo os clubes com mando de campo que não tomam as devidas precauções para que essa prática seja coibida. Recentemente o STJD puniu Palmeiras, São Paulo e ASA/AL. Palmeiras levou uma multa de R$ 5 mil, mas a pena máxima é de R$ 100 mil. O cerco está sendo apertado. Vejam o que disse Paulo Schimitt, do STJD, sobre o assunto:

“A gente entende a dificuldade de conter a entrada desses objetos, mas de qualquer forma o clube é responsável pelos atos praticados pelos seus torcedores e o torcedor tem que entender, pelo princípio até da auto-tutela, que tem que haver uma fiscalização, um controle, um acompanhamento, para que esse tipo de expediente não se torne comum e não venha trazer mais prejuízo ainda às partidas de futebol.”

Está muito claro que essa prática será combatida, e os torcedores que não entenderem que não se deve mais utilizar esse tipo de equipamento durante partidas de futebol estarão prejudicando seus clubes, pois a multa será aplicada ao mandante do jogo. Ou seja, o torcedor que pratica esse tipode ação, não só prejudica a saúde do atleta, que é um ser humano como ele, como também prejudica a saúde financeira do clube ao qual está torcendo… Não há nenhuma justificativa para esse ato.

Portanto, é importante a conscientização. Se você leu este texto e compreendeu bem os perigos que o uso dessa “arma” pode acarretar, divulgue para seus amigos. Estamos lançando, portanto, a campanha “Diga NÃO ao Laser nos Estádios!”.

Se você é um autêntico torcedor, que quer ir aos estádios para se divertir e vibrar por seu time, seja na alegria ou na tristeza, e que sabe que seu adversário é adversário apenas no futebol, faça a sua parte e ajude a combater mais essa praga do futebol. Baixe a imagem ao lado e divulgue a campanha da forma que achar melhor, seja em seu Facebook, seja por email… Vamos dizer não ao Laser nos estádios!”

Autor: André Pedro – sócio remido do Vasco da Gama com 30 anos de clube, e também editor responsável pelo portal webvasco.com. Sua formação é na área de informática e comanda a empresa Digital Solutions, especializada em soluções de internet.