FELIPE OU CARLOS ALBERTO: A ESCURIDÃO!


Felipe ou Carlos Alberto: a escuridão!

Por: Leandro Monteiro – 04/10/2012

Há tempos nesse campeonato, ou melhor dizendo, desde a saída de Diego Souza, que a torcida do Vasco vive um pesado dilema recaindo sempre sobre a mesma pergunta: “Felipe ou Carlos Alberto ?”

É amigos! Uma pergunta de difícil resposta, haja vista, o fraco rendimento que mostram esses dois jogadores, desde que o ‘vagalume’ (Diego Souza), deixou a Colina Histórica rumo ao futebol árabe. Uma pergunta que, ainda hoje, depois de tanto tempo, consegue deixar duvidoso até o nosso atual treinador, Marcelo Oliveira.

De um lado temos Felipe, que apesar de ser nosso eterno maestro, podemos contar nos dedos as partidas em que foi realmente decisivo e produtivo para o time. Dentre partidas de futevôlei na praia da Barra e , a aparente falta de vontade nos jogos (desde os tempos do Cristóvão), nosso craque vem se arrastando em campo, e não consegue apresentar um futebol digno da sua história ficando muito à quem do seu potencial. Com um futebol modesto e acanhado, Felipe, se comporta como se fora um trabalhador insatisfeito. Quando escalado, entra em campo, pouco produz, bate o seu ponto e fica marcando passo à espera do apito final (ou a substituição de sempre).

Do outro lado, Carlos Alberto, um jogador que, por volta dos seus 27 anos , já viveu quase de tudo nesse mundo da bola. Com passagens por diversos clubes e vários títulos importantes, Carlos Alberto, desde 2005, ano que foi campeão brasileiro pelo Corinthians, não consegue fazer jus ao nome que ostenta. Com exceção ao ano de 2009, em que foi um jogador decisivo para a conquista da série B, Carlos Alberto mostra um futebol pouco competitivo, que em nada retribui o investimento feito pelo clube, além disso, somam-se a esse contexto, as contusões e os atos de indisciplina, que vira e mexe, o tornam um jogador indisponível ao treinador.

Enquanto Felipe e Carlos Alberto não fazem as pazes com o bom futebol, Marcelo Oliveira deverá sempre fazer um revezamento entre eles buscando aproveitar o máximo dos efêmeros “bons momentos” de cada um. Se Felipe, hoje, apresenta um pouco de futebol que seja, deve começar jogando, senão, entra o Carlos Alberto, e assim vai , juntando os dois pra vê se dá um.
Quem dera que a luz do ‘vagalume’ Diego Souza, hoje, ainda estivesse entre nós, livrando-nos da escuridão total que nos encontramos.

Saudações Vascaínas !

AO VASCO TUDO! INCONDICIONALMENTE!!!