Cronologia da histórica perda da Sede do Rugby nos Jogos de 2016, pelo Vasco


Por Andre Pedro, do Portal WEBVASCO:

“Amigos vascaínos,

Esta semana recebemos a trágica notícia de que o Vasco não mais será a sede do Rugby nas olimpíadas de 2016. De maneira quase que óbvia, Roberto Dinamite e demais membros da diretoria trataram de minimizar o fato, afirmando que o Vasco possui um projeto muito mais interessante para a torcida do Vasco, que é a reconstrução de nosso estádio para uma Arena moderna de 43 mil lugares. Além disso, Roberto afirma textualmente que a realidade financeira do Vasco não permite o gasto de quase 40 milhões com a lista de exigências que o COB enviou em abril.

Como eu mesmo afirmei no programa de rádio “Só Dá Vasco”, nisso tudo havia mais perguntas do que respostas. Ao investigar o assunto a fundo, com a ajuda de diversos vascaínos renomados, consegui juntar diversos documentos que montam toda a cronologia dos fatos, a qual irei relatar abaixo. Ao chegar ao final do texto, você, leitor, deverá ter, assim como eu, a nítida impressão que alguém foi enganado. A história irá cobrar essa perda dos Jogos Olímpicos a todos nós vascaínos, e o preço será alto!

Vamos aos fatos (os grifos são todos meus):

07.10.2009 – O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, defendeu São Januário como sede para as partidas de Rúgbi das Olimpíadas de 2016 caso o esporte fosse incluído no programa dos Jogos. Na votação realizada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) em Copenhague, Nuzman votou a favor da inclusão tanto do Rúgbi quanto do Golfe e afirmou não ver problemas em usar verbas públicas para as reformas necessárias para o estádio do Vasco.
— Cada um recebe os benefícios pelo que investiu no passado e não concordo com o argumento de que investir em São Januário não deixará legado para o povo, pois o estádio pertence a um clube. E precisamos pensar também no que é o melhor para os Jogos — afirmou Nuzman durante o congresso do COI na capital dinamarquesa.
Nuzman, porém, disse que não é de sua alçada decidir sobre a revitalização da região de São Januário, mas que a decisão era do Governador Sérgio Cabral Filho.
Já o secretário-geral do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de 2016, Carlos Roberto Osório, disse que a Federação Internacional de Rúgbi já havia aprovado São Januário como provável sede da modalidade.

Fonte: http://www.netvasco.com.br/news/noticias15/70708.shtml

10.10.2009 – Luso Soares da Costa, vice-presidente do Vasco à epoca, afirma que paralisou as conversas de mais de um ano com a Lusoarenas, empresa do ramo de construção e reforma de arenas esportivas, porque o Vasco foi designado como Sede do Rugby em 2016 e que teria seu estádio revitalizado, “sem que o clube tenha gastos com isso”, segundo palavras dele. Além disso, afirmou que todo o entorno de São Cristóvão poderia sofrer sensíveis mudanças, incluindo novos planos urbanísticos e a abertura de novas vias de acesso.

Fonte: http://www.netvasco.com.br/news/noticias15/70781.shtml

12.10.2009 – O vice-presidente de esportes olímpicos do Vasco, José Pinto Monteiro, afirmou que a remodelação do estádio deve ser bancada com o dinheiro do Comitê Olímpico Brasileiro destinado aos Jogos. Segundo ele: “Pode ser que tenhamos até alguma pequena despesa, mas os recursos virão do COB e, no fim, o clube terá um grande legado. Hoje, a capacidade é em torno de 24 mil pessoas. Nos Jogos Olímpicos, poderemos chegar a 40 mil”. Afirmou ainda que as dimensões do campo de futebol da Colina são de 98 metros de comprimento por 75m de largura, e terão que ser ajustadas para 144m por 80m para cumprir as exigências do COB.

Observação do Webvasco.com: Na verdade, o campo do Vasco mede 110×70 metros. Já o campo do Engenhão, provável nova sede do Rugby, mede 105×68, menor que o Vasco. O campo do Vasco ainda possui uma área de escape gramada, coisa que o Engenhão não tem e nem poderá ter, já que será sede do Atletismo.

Fonte: http://www.netvasco.com.br/news/noticias15/70820.shtml

24.10.2009 – O secretário-geral do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Roberto Osório, disse no programa “Só dá Vasco”, veiculado na Rádio Bandeirantes, sobre os investimentos para que o Estádio de São Januário sedie o Rúgbi nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Ele afirma que “para o Vasco, essa é uma oportunidade extraordinária. Infelizmente, durante os Jogos Pan-americanos, nós não pudemos ter o Vasco da Gama como um dos nossos estádios. (…) Acho que o Vasco perdeu uma oportunidade de ceder o seu estádio para os Jogos e, com isso, receber alguns investimentos. Agora, nos Jogos Olímpicos, nós teremos essa grande oportunidade. E oportunidade talvez ainda maior, porque a dimensão e a magnitude dos Jogos Olímpicos é bastante superior à dos próprios Jogos Pan-americanos. Eu vejo, para o Vasco, dois grandes benefícios, Um, intramuros, dentro da nossa casa, dos nossos muros, no patrimônio do Vasco da Gama, que é investimentos na recuperação do estádio e na atualização do estádio para receber essa competição”.

Afirmou mais ainda: “Com relação aos investimentos no estádio, nada vai ser feito que não tenha a concordância do Vasco da Gama, que é o dono do equipamento. (…) o Vasco da Gama, que tomará a decisão, em última instância… Se vai se decidir por alguma expansão de arquibancadas, etc, é uma decisão conjunta com o Vasco da Gama. Nada vai ser feito se o Vasco da Gama não estiver de acordo, e que não seja em benefício do próprio Vasco da Gama.”
Vejam o que ele falou sobre a “Marca Vasco da Gama”: “O nosso estádio estará sendo com imagens geradas para todo o mundo. Vai ser um estádio que já é o mais bonito, o mais conhecido. Imagina, vai ser mais conhecido ainda. Isso, eu acho que para o Vasco, para a marca Vasco da Gama, é importante, a valorização do nosso patrimônio, não só em uma visão apenas nacional, mas também internacional. Essa é a parte estrutural intramuros. Um outro benefício para o Vasco é uma questão a cargo da prefeitura. O prefeito Eduardo Paes e o nosso secretário municipal de urbanismo, outro vascaíno, o arquiteto Sérgio Dias, que é um vascaíno extraordinário, um homem que tem um amor ao Vasco muito grande também, já nos disseram que o entorno do Estádio de São Januário vai receber melhorias da parte da prefeitura do Rio, para que o acesso ao Estádio de São Januário seja facilitado. Isso é importante para os Jogos Olímpicos, mas é um grande legado para o Vasco da Gama após os Jogos Olímpicos. Acho que o Vasco vai ter um legado duplo: um legado do lado de fora do estádio e um legado também do lado de dentro. Acho que é um presente para o Vasco da Gama. Na verdade, é merecido. Eu falei isso muito para os nosso amigos da Federação Internacional de Rúgbi e as pessoas todas que trabalharam nisso. Nós falamos, antes da nossa eleição, ‘Vocês têm que torcer muito para o Rio de Janeiro ser eleito, porque nenhuma das outras três cidades – Madri, Tóquio e Chicago – tem o Estádio Vasco da Gama, tem São Januário. Torçam para o Rio ganhar, porque o rúgbi vai ser muito feliz lá em São Januário’.”

Nota do webvasco.com: Conforme está atestado pelo próprio Osório, acima, e que foi muito comentado na mída esportiva naquela época, o grande motivo do Rugby voltar aos Jogos Olímpicos em 2016 foi o fato de que São Januário receberia esse esporte e nenhuma das outras cidades candidatas teria essa garantia.

Osório fala mais ainda, afirmando que São Januário não teria interrupção de uso. Vejam: “O estádio do Vasco da Gama vai continuar funcionando como o estádio do Vasco da Gama. Existe uma norma da cessão do estádio durante o período dos Jogos Olímpicos e um período de antecipação para que toda a checagem de segurança seja feita, os equipamentos instalados. Mas o Vasco da Gama estará utilizando o seu estádio normalmente durante todo o período. Com relação aos investimentos, todo esse planejamento também será feito em conjunto com o próprio Vasco. A implementação das obras necessárias de reforma e adaptação vai ser feita em conjunto com o Vasco, de modo a possibilitar ao máximo a utilização do estádio e causar a menor interrupção possível para a evolução desse equipamento.”

Osório finaliza da seguinte forma: “Eu vou estar sempre à disposição do Vasco, para o que o Vasco precisar de mim. Acho que o Vasco tem essa característica especial. O Vasco é muito maior do que todos nós. O Vasco é um negócio que não pertence a ninguém. É uma coisa muito grande e muito importante. Cabe a nós, vascaínos, fazer com que ele seja cada vez maior e sempre esteja no seu lugar, que é o lugar de maior clube do Brasil, com as maiores glórias, a melhor torcida, e certamente o mais bonito estádio e patrimônio não só do Rio, do Brasil e da América do Sul.”

Fonte: http://www.netvasco.com.br/news/noticias15/71253.shtml

20.07.2010 – A diretoria do Vasco assinou em São Januário, o acordo para ser sede do rugby na Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. O presidente Roberto Dinamite participou do evento, realizado na sala de troféus cruzmaltina, que contou com a participação de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, de José Antônio Muniz, presidente da Eletrobrás e patrocinadora do clube, e de conselheiros do Gigante da Colina. A cerimônia durou cerca de trinta minutos.

De acordo com Carlos Arthur Nuzman, membros da federação internacional de rugby vão visitar o clube para ver as necessidade imeditas para a realização das competições: “Não sou arquiteto, engenheiro ou jogador de rugby. Mas acredito que irá acontecer uma melhoria dos acessos, dos assentos e dos vestiários. Vai ocorrer uma modificação no estádio e vai ficar um legado, não só para o Vasco, mas para todo mundo”.

Sobre os valores investidos na reforma, Nuzman afirmou que ainda irão ocorrer reuniões para definir todo o planejamento. Porém, em um primeiro momento, ele admitiu que a reforma deverá ser custeada pelo Governo Federal: “Todas as obras vão sair do conjunto de atribuições do APO (Autoridade Pública Olímpica). Algumas vão ser dos governos estaduais, outras do Governo Federal. Mas acredito que as obras em São Januário ficarão por conta do Governo Federal – afirmou o dirigente, sem ter ideia dos valores que serão investidos na reforma de São Januário para os Jogos de 2016.”

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/80457/vasco-confirma-rugbi-e-governo-federal-pode-bancar-reforma

02.09.2010 – Os engenheiros do Comitê Olímpico Internacional (COI), Philippe Bovy e Grant Thomas, estiveram em São Januário para uma visita técnica ao estádio onde serão disputados os jogos de rúgbi, em 2016. A equipe foi recepcionada pelo presidente do clube, Roberto Dinamite, e o vice-presidente de Responsabilidade Social e Esportes Olímpicos, José Pinto Monteiro. Os integrantes do COI ficaram satisfeitos com as instalações do estádio e os projetos de remodelação de algumas áreas internas do clube. Também discutiram com os membros do Comitê Organizador 2016 sobre os estudos para melhoria dos transportes na região. Ao entrarem na Tribuna de Honra do clube, quando já anoitecia, os visitantes ficaram impressionados com a visão do Cristo Redentor iluminado e não puderam resistir: “Que paisagem linda, bilhões de telespectadores vão receber essa imagem”.

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/81979/engenheiros-do-coi-visitaram-instalacoes-de-sao-januario

09.11.2010 – Em declaração ao programa “Só Dá Vasco”, o presidente da Assembleia Geral do Vasco, Olavo Monteiro de Carvalho, afirmou que a decisão, por parte da prefeitura, de que São Januário não seja sede do rúgbi das Olimpíadas de 2016 é definitiva. Olavo citou conversas que manteve com assessores do prefeito Eduardo Paes.

Declarou Olavo ao programa “Só Dá Vasco”: “Eu vou procurar estar com o prefeito agora para poder confirmar a notícia pessoalmente. Eu fui informado que o prefeito teria declarado que transferiu o rúgbi para Bangu porque o Vasco já vai receber um CT, o que realmente ele tinha me dito que está em vias de aprovar um projeto de um CT para o Vasco da Gama. E que ele consultou o COB e o COB confirmou que o projeto tinha oposições no Vasco, que estava muito complicado e demorando a aprovação do conselho diretor. E por isso o COB não podia ficar adiando mais. Então o prefeito declarou que transferiu para Bangu o rúgbi de São Januário. É difícil dimensionar o prejuízo que isso causa para o nosso clube. Não só a parte histórica de poder participar de uma Olimpíada, mas o prejuízo material também, porque grandes reformas seriam feitas no nosso estádio, modernização, e, agora, infelizmente, vamos ter que buscar outros recursos para fazer esses projetos.”

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/84543/olavo-confirma-que-sao-januario-nao-sediara-o-rugbi-olimpico

Nota do Webvasco.com: Essa foi a primeira informação registrada que o Vasco poderia perder o Rugby e que a sede seria tranferida para Bangu.

16.11.2010 – É realizada uma reunião de Diretoria aprovando a Cessão do Estádio de São Januário para a realização do evento do Rugby. A Ata produzida na ocasião afirma que existem vantagens para o Clube: “1. Projeção do Nome do Clube; 2. Revitalização do Patrimônio do Clube; 3. Custeio pelos Governos; 4. Obras do Entorno do Estádio;”. Segue trecho importante da Ata que mostra de forma inequívoca que a Diretoria textualizou que o dinheiro das obras viria dos entes públicos:

Esta ata pode ser lida em sua totalidade na reprodução da mesma feita no seguinte link: http://www.casaca.com.br/home/2010/11/24/o-arremedo-e-as-ressalvas/

30.11.2010 – Em entrevista ao programa “Só Dá Vasco”, o presidente Roberto Dinamite fala sobre a aprovação do rúgbi em 2016 na reunião do Conselho Deliberativo: “Isso é importante colocar. Esse momento é ótimo para se falar sobre isso porque, na realidade, o que o Vasco vai ter como sede do rúgbi é dizer que todas as instalações, todo o estádio de São Januário, de uma forma geral, vai sofrer não só obras pequenas, de melhoria, mas também dando ao torcedor aquilo que nós queremos, que é dar conforto ao nosso torcedor, aumentando os acessos de entrada e saída, para que ele possa sair com tranquilidade e entrar com tranquilidade, e colocando o Vasco como o primeiro clube de futebol a estar dentro de uma Olimpíada. Tudo isso é importante e faz parte da história do nosso clube. Mais do que nunca, não só São Januário, mas o entorno de São Januário, todas as áreas próximas de São Januário vão ter, por parte da prefeitura, a recuperação, vias e coisas que, infelizmente, nunca foram feitas ao longo desse período. Está de parabéns o Vasco, mais uma vez, de ser o primeiro clube a abrir as portas para ser o primeiro clube a participar de uma Olimpíada aqui no Brasil. (…) O Vasco está acima de qualquer coisa. Tudo que puder ser feito em prol da instituição, de melhorar, de dar uma qualidade e uma condição melhor para que o torcedor possa ter mais conforto, nós vamos estar fazendo, sem pensar em ter os louros daquilo que está sendo realizado ou daquilo que vai ser realizado. O Vasco é maior do que todos nós. O Vasco merece isso. O Vasco é o torcedor vascaíno que está aqui no Rio e em todo o Brasil.”

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/85317/dinamite-fala-sobre-a-cessao-de-sao-januario-para-o-rugbi-olimpico

14.12.2010 – Eduardo Paes, prefeito do Rio, revelou que naquela semana seria lançado o edital para o projeto de construção das instalações de Rugby (que serão incluídos no calendário de competições de 2016). Como o conselho do Vasco aprovou a cessão de seu estádio, São Januário deverá ser mesmo a sede das competições. A prefeitura chegou a pensar em transferir provas do rugby para o Estádio Moça Bonita Bangu).

Fonte: http://www.supervasco.com/noticias/edital-do-projeto-do-rugbi-deve-ser-lancado-ainda-esta-semana-85915.html

18.08.2011 – Tendo em vista a onda de boatos de que São Januário perderia a chance de ser a Sede do Rugby ser recorrente no meio esportivo no início daquele ano, um grupo de Socios do Vasco cria um movimento voluntário, de cunho apartidário, objetivando a revitalização do Entorno de São Januário, que seria, além de um grande legado para o Clube, também o viabilizador não apenas de melhorias no Estádio como também da realização do Rugby em 2016. Detalhes sobre o início desse movimento estão no link: http://www.webvasco.com/social/revitalizacao.html

O resultado do movimento foi que, nos meses subsequentes, toda a mída especializada teve ciência desse objetivo, movimentando a torcida do Vasco a aderir ao movimento e assinar um abaixo-assinado com um total de mais de 10.000 assinaturas!

14.12.2011 – Entrevista do 2º vice-presidente geral do Vasco, Nelson Rocha, ao programa de rádio “Só Dá Vasco”: “O Vasco foi escolhido pelo Comitê Olímpico Internacional para ser a sede do rúgbi. A prefeitura está com problemas com relação a custo do entorno, só que eu queria dizer para o prefeito Eduardo Paes: nós não vamos deixar o rúgbi sair de São Januário, não. Porque andou com essa coisa aí. Obviamente, eu tenho a certeza que não por parte do prefeito. Mas acabou essa coisa. Chega técnico e diz um negócio. O secretário de urbanismo é um grande vascaíno, neto de um dos pioneiros do futebol do Vasco, o Sérgio Dias. Eu não sei exatamente quem deu contra, mas o problema é que começam a querer colocar areia, problemas para ‘Isso vai custar muito, custar pouco’. O próprio governador está determinado para poder fazer com que lá seja o espaço. São Januário é muito bem localizado. Não existe essa possibilidade, porque senão a torcida toda vai para a porta da prefeitura bater tambor lá. Mas eu tenho a certeza que vai ocorrer. O prefeito é sensível. É vascaíno o prefeito. A gente tem a certeza de que isso foi só um boato e essa coisa não vai prosperar, até porque o prefeito, não tem o menor cabimento, primeiro anuncia e depois volta atrás? O prefeito não vai fazer isso. A gente vai realizar o rúgbi lá em 2016 e por conta disso já tem estudos. (…) Está sendo feito um estudo de viabilidade econômico e financeira, de estrutura, projeto arquitetônico, estrutural também, para você ter a ideia de quanto é que vai ser o custo da obra. É um project finance, como a a gente diz, que é um projeto financiado, como o Vasco não tem recursos. Você vai ter que refazer o estádio, só mantendo as partes que são preservadas. Para atender as demandas do Comitê Olímpico, não dá para ter um estádio de 83 anos, então você tem que mudar mesmo. Basicamente, é construir um novo estádio. Vai construir um novo estádio, porque mantém só a fachada. O resto todo, não se usa mais aquele modelo de arquibancada e não dá nem para manter a estrutura porque senão você não tem como fazer os acessos. A ideia é que seja uma arena multiuso, para poder explorar um pouco mais. Esse projeto, como vai ser financiado por alguém, esse financiador vai explorar o estádio por um período, e a conta que se faz é quantos anos precisa para que ele pague o investimento dele e tenha o retorno do investimento. Esse projeto já está avançado e vamos estar submetendo ao Conselho Deliberativo. Já foi aprovado no Conselho a possibilidade de fazer o rúgbi em 2016. Agora estamos trabalhando para esse projeto. A gente vai ter um estádio super moderno. Em tese, a gente teria de 2013 a 2016 para a construção desse novo estádio. Enquanto isso, o Maracanã já está aberto e a gente estaria jogando no Maracanã.”

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/101941/nelson-rocha-diz-que-rugbi-sera-mesmo-em-sao-januario-em-2016

13.04.2012 – O Ex-presidente do Bangu e atual presidente da FERJ, Rubens Lopes deixou acesa a esperança de que o estádio de Moça Bonita seja uma alternativa para o futebol carioca. Afirmou: “O Bangu está encantado, o Engenhão era para ser lá. O Cesar Maia mandou o pessoal, fizeram estudo, isso e aquilo, e acabou optando pelo Engenho de Dentro”. O dirigente contou ainda que uma reforma completa do gramado de Moça Bonita está prevista para o ano que vem, e que tudo vai correr às custas da Ferj. O gramado de Moça Bonita, já criticado veementemente por Loco Abreu, foi defendido por Lopes. O estádio banguense foi cotado para ser a sede do rúgbi na Olimpíada de 2016, mas a opção vencedora foi São Januário.

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/108742/rubens-lopes-quer-moca-bonita-com-estadio-alternativo-ao-engenhao

15.06.2012 – O vice de finanças do Vasco, Nelson Rocha, falou sobre a reforma de São Januário: Vai começar a partir de julho do ano que vem, sendo que São Januário será ampliado e vai virar uma arena para até 45 mil lugares. O prazo para término é de três anos, com o estádio ficando fechado por todo esse período. Segundo Nelson Rocha, a reforma no estádio, inicialmente, será feita visando aos Jogos Olímpicos de 2016 – São Januário receberá partidas de rúgbi. Mas a diretoria já sonhava com essa ampliação para receber jogos de grande porte, como uma final de Libertadores (a Conmebol exige o mínimo de 40 mil lugares) e clássicos regionais. Atualmente, pelas vistorias do Corpo de Bombeiros, a Colina tem capacidade para pouco menos de 25 mil pessoas. Destacou que São Januário é bem localizado, próximo às principais vias de acesso do Rio de Janeiro, mas sabendo da necessidade de que melhorias sejam feitas no entorno do estádio, Nelson Rocha afirmou que a prefeitura do Rio já se propôs a melhorar a acessibilidade, com o alargamento das ruas em volta do estádio: “A prefeitura do Rio se comprometeu a fazer o entorno. Não adianta ter um estádio moderno com essas ruas estreitas. Não teria cabimento, nem seria permitido para a Olimpíada. A prefeitura vai ampliar as ruas, dar melhor acessibilidade. Nosso estádio é muito bem localizado, perto da Linha Vermelha, Linha Amarela, Avenida Brasil, Perimetral. Se quiser sair e ir para a Zona Norte também, é tudo próximo”.

Fote: http://www.netvasco.com.br/n/112103/sao-januario-sera-ampliado-e-devera-ficar-fechado-por-3-anos

10.08.2012 – O Jornal O Globo aborda a participação brasileira na cerimônia de encerramento dos Jogos de Londres, finalizando com a informação de que o Relatório de progresso da Rio-2016, elaborado em julho, por ocasião da 124ª sessão do COI, em Londres, garante que o evento terá excelência técnica, celebrações memoráveis, irá melhorar a imagem global do país, estará dentro dos princípios da sustentabilidade e vai colaborar para o crescimento, na América do Sul, do Olimpismo e do Paralimpismo. Sobre os dois novos esportes olímpicos – golfe e rúgbi de sete – o documento informa que o primeiro terá suas instalações construídas na Reserva Marapendi, em parceria público-privada. Já sobre o rúgbi, o texto informa que a equipe de design das instalações desenvolveu um estudo preliminar com a International Rugby Board e que este estudo foi entregue ao Vasco da Gama em março. O clube terá até 31 de outubro para afirmar se realmente estará disposto a se integrar ao projeto olímpico, sediando a modalidade no estádio São Januário.

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/114668/vasco-tem-ate-3110-para-responder-sobre-rugbi-de-7-em-sao-januario

02.10.2012 – Nelson Rocha, que já havia deixado o cargo de vice de finanças, comunicou que não vai mais coordenar o projeto da nova arena de São Januário. Em entrevista ao LANCENET!, o dirigente reclamou de uma recente reunião com a construtora OAS em que não esteve presente: “Ontem comuniquei a todos que deixo a coordenação do projeto. Não posso aceitar que as pessoas façam coisas sem que eu saiba. Por exemplo, o Roberto (Dinamite) e o Olavo (Monteiro de Carvalho) se reuniram com a OAS sem que eu soubesse de nada. Isso não posso aceitar. É falta de respeito. Afinal, quando deixei a vice de finanças, pediram encarecidamente para que eu continuasse corrdenando o projeto – disse Nelson Rocha.”

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/117066/nelson-rocha-sobre-rugbi-em-sao-januario-comuniquei-a-todos-que-deixo-a-coordenacao-do-projeto

24.10.2012 – O Grupo Voluntário em prol da Revitalização do Entorno de São Januário protocolou na Prefeitura do Rio de Janeiro um Abaixo-Assinado contendo mais de 10.000 assinaturas solicitando a revitalização imediata do entorno de São Januário. O documento, sob o Protocolo nº 012840 GBP – 24/10/2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, foi devidamente informado ao Presidente do Vasco da Gama, Roberto Dinamite, através de protocolo feito na Secretaria do Clube no mesmo dia. O objetivo desse documento era dar o apoio e respaldo popular necessário para que as autoridades públicas realizassem as obras necessárias no entorno do estádio, visando principalmente a melhoria de acessibilidade dos moradores, mas também a viabilização de obras no estádio e, por consequencia, a confirmação do Rugby em São Januário. Os detalhes disso e as cópias digitalizadas do documento podem ser encontrados no link: http://www.webvasco.com/social/leia-no-webvasco/colunas/marcelo-paiva/314-agora-e-oficial-autoridades-do-rio-de-janeiro-receberam-o-abaixo-assinado-pela-revitalizacao.html

01.11.2012 – O Estádio Olímpico João Havelange é a nova opção para ser o palco das disputas do rúgbi nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016. O Comitê Organizador Rio-2016 informou que o Vasco não entregou a documentação necessária para assegurar que as disputas ocorressem em São Januário. Para ser aprovado, o João Havelange precisará passar por uma vistoria. Se for reprovado, outro local será indicado. Veja a íntegra do comunicado do Comitê Rio-2016: “O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016™ (Rio 2016™), o Comitê Olímpico Internacional (COI) e o Conselho Internacional de Rugby (IRB, na sigla em inglês) estão totalmente empenhados em garantir competições excepcionais de rugby nos Jogos Olímpicos de 2016. O Estádio de São Januário fora identificado como a potencial instalação para o rugby. Essa possibilidade estava sujeita ao atendimento de certas exigências. O Clube de Regatas Vasco da Gama foi requisitado, em 9 de abril de 2012, a enviar, até 31 de outubro de 2012, o projeto completo e todas as garantias, incluindo financeiras, referentes à cessão do estádio nas condições exigidas pelo COI e pelo IRB para o evento. Por não ter recebido a documentação pedida até a data estipulada, o Rio 2016™ promoverá agora uma reavaliação dos planos operacionais do Estádio João Havelange, em conjunto com o IRB e o COI, para assegurar que a estreia do rugby nos Jogos Olímpicos seja bem sucedida e memorável.”

Fonte: http://www.netvasco.com.br/n/118439/rugbi-olimpico-nao-sera-em-sao-januario-engenhao-e-a-nova-opcao

Nota do Webvasco.com: Que “garantias financeiras”?

02.11.2012 – Roberto Dinamite afirmou que a decisão do Rugby não ser mais no Vasco foi tomada depois uma conversa entre o presidente da Assembleia Geral do clube, Olavo Monteiro de Carvalho, e o presidente do Comitê Organizador, Carlos Arthur Nuzman. O presidente argumentou que a própria diretoria chegou à conclusão de que, diante das inúmeras condições impostas pelo COI, não valeria a pena sediar o rúgbi nas Olimpíadas. “Realmente, houve uma conversa direta do Olavo com o Nuzman com relação a essa documentação, e ele achou que não seria a coisa mais importante, por entender que o custo dessa operação para São Januário seria muito alto e que teria já lá atrás o Engenhão como referência para que isso pudesse acontecer”. O grande entrave para aderir ao projeto olímpico, segundo reforçou o mandatário, seria o valor que deveria ser custeado pelo Cruz-Maltino para as adequações à parte da reforma de São Januário para o esporte, que iria beirar os R$ 40 milhões e não seriam incluídos no financiamento geral. “Então, as coisas são colocadas de uma forma que o torcedor pensa que o Vasco perdeu a oportunidade de alguém ajudar, e na realidade não ia ajudar” – defendeu-se Roberto.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/vasco/noticia/2012/11/dinamite-fala-de-saida-de-sao-januario-dos-jogos-e-garante-reforma.html

03.11.2012 – Um grupo de Conselheiros Vascaínos, e de Sócios Voluntários (no qual, me incluo), toma a iniciativa de recorrer da decisão de retirada de São Januário como Sede do Rugby, face ao acima exposto, recheado de promessas, em especial, das autoridades públicas, inicialmente de forma administrativa junto ao CO-RIO, COB e COI. Caso venha a ser necessário, o caso irá às esferas judiciais, afim de que o quadro seja revertido e o Vasco não seja usado e venha a ser ressarcido dos prejuízos materiais e morais, causados com tal desfecho.

Fonte: http://www.supervasco.com/noticias/grupo-de-conselheiros-e-voluntarios-ira-a-justica-pela-rio-2016-154458.html

Amigos vascaínos, os fatos estão aí. Existe ainda uma declaração de Eduardo Paes (Prefeito do Rio de Janeiro), na Sessão Solene do 114º Aniversário do Vasco, realizado em Agosto último, na Sede da Lagoa/RJ, afirmando que o Rugby seria em São Januário.

Mesmo com muito pesar com tudo isso, Saudações Vascaínas!

André Pedro é sócio remido do Vasco da Gama com 30 anos de clube, e também fundador e editor responsável do portal webvasco.com. Sua formação é na área de informática e comanda a empresa Digital Solutions, especializada em soluções de internet.”