OS MESMOS ERROS, MAIS UMA DERROTA


O Vasco foi envolvido pelo Volta Redonda - Foto Lancepress

O Vasco foi envolvido pelo Volta Redonda – Foto Lancepress

Em mais uma derrota vexatória do time vascaíno ficou clara a falta de organização tática da equipe e a repetição de falhas defensivas que vêm sendo a tônica do Vasco neste campeonato carioca, de 2013. O time taticamente não evolui. O técnico Gaúcho (mesmo lhe dando o desconto pelo fraco elenco que possui, e com falta de melhores opções em algumas posições tão carentes como o ataque), não consegue implementar um padrão de jogo ao time.

A equipe não consegue ter um volume de jogo capaz de criar jogadas de gol, não agride o adversário, não se impõe e, para piorar, defende-se mal deixando espaços no meio de campo e a zaga exposta. O time deixa a desejar. Um mar de incertezas e desconfianças , hoje, ocupa a cabeça do vascaíno mais otimista. Está difícil de acreditar nesse time!

Difícil de acreditar, porque já estamos em março caminhando para a reta final do Carioca, e o time não mostra uma identidade, ou , pelo menos, um futebol competitivo para crermos num futuro promissor nas competições de ponta, como a Copa do Brasil e o Brasileirão. Muito pelo contrário, os vascaínos hoje vivem oprimidos, e prevendo o pior (e não fiquem abismados com o rebaixamento à segunda divisão do brasileiro – se nada mudar num curto espaço de tempo).

O que chamou a atenção na derrota para o Volta Redonda foi em grande parte a falta de capacidade do time em reverter o placar contra um adversário dos mais fracos (que havia ganho somente 1 partida no campeonato), do que propriamente a falha defensiva no gol do Voltaço. Pelos motivos descritos acima, a derrota, mais uma vez, expôs as deficiências já conhecidas e tão gritantes do elenco cruz-maltino que, entra jogo e sai jogo, continuam sem ser corrigidas.

Agora, vamos ver como o time se comportará contra o Nova Iguaçú , na próxima quarta –feira dia 20/03. Esperamos que mais essa derrota (para o “PODEROSO” Volta Redonda) tenha mexido com os brios dos jogadores e também do técnico Gaúcho. Fica a expectativa de que o time consiga mostrar o mínimo de organização tática, e que os jogadores, que vêm se arrastando em campo – tecnicamente falando – (os casos de Éder Luiz, Pedro Ken, Carlos Alberto e Bernardo) consigam realmente contribuir com o time e nos façam entrar novamente nos trilhos das vitórias.

O sentimento não pode parar, mas do jeito que está, também não pode continuar!

Saudações Vascaínas!

Ao Vasco tudo! Incondicionalmente!

Por Leandro Monteiro

Edição de Marcus Simonini