Receitas de TV X Calendário X Estrutura do Futebol Brasileiro: A conta que não fecha


Por

Marcus Simonini Ferreira – Editor do Blog Incondicionalmente Vasco!

Abaixo são publicados os valores das receitas de TV da Liga Inglesa. De acordo com a tabela abaixo, percebam que o terceiro critério é Audiência, e ainda assim o Manchester United, um dos clubes de maior torcida dentro e fora do Reino Unido, ficou em primeiro lugar nas receitas de TV, mas foi também o campeão da temporada. Arrecadou mais pela soma de performance + audiência. Já o Liverpool, embora tenha torcida bem maior que a do Chelsea, Manchester City e Arsenal, ficou atrás destes. Nada mais coerente, pois fez uma campanha tão ruim, que nem Champions League, fase pré-qualificação conseguiu!

O que acontece aqui no Brasil? Flamengo e Corinthians ganham mais que todos os outros, independentemente da performance. Não há uma parte igual reservada a todos. E daí que uma equipe média não pode se planejar e investir para crescer, pois sua cota será sempre menor, não importa se tenha feito uma campanha boa o suficiente para se classificar para a Libertadores. Enquanto o Flamengo luta para obter 45 pontos e assim escapar do rebaixamento, a Adidas se afina mais com a filosofia européia e dá metas ao Rubro-negro, que se não forem cumpridas diminuirá o patrocínio. Isso está corretíssimo. Olha o caso do Atlético Paranaense, que tem chances reais de vaga no principal torneio continental, mas seu desempenho não será levado em conta na temporada 2014, pela Globo. Aplica-se ao quadrado ao Cruzeiro, Atlético Mineiro, Grêmio e Internacional, e ao Vasco, claro, tudo o que eu disse sobre o Atlético Paranense, logo acima.

O critério inglês é tão eficiente e justo que assegura emoção até a última rodada. Explico:

Diferente do que acontece aqui, onde a Copa Sul-Americana, uma competição internacional, foi esvaziada de propósito, para privilegiar a Copa do Brasil, organizada pela CBF e transmitida pela Globo, as Ligas nacionais e Copas Nacionais classificam as equipes para a Champions League e Liga Europa, mas não é só isso! Os clubes recebem as receitas do ano seguinte de acordo com a sua performance ( e este é o segundo critério, portanto, antes da audiência).

Vamos ao exemplo: Podemos ter uma situação em que o West Ham, faltando 3 rodadas para o fim, está em 14º lugar, mas embolado num pelotão de mais uns 7 clubes. Se o time vencer os próximos 3 jogos (podendo ser confrontos diretos) ele pode saltar do 14º para o 8º lugar, e acabar na parte de cima da tabela. Se forem mais clubes embolados, pode chegar até à 7 ª posição! Claro que tendo essa possibilidade de aumentar receita o time vai correr até o final, e no meio do caminho pode tirar pontos dos times que estão brigando pela Taça. Ou seja, é um campeonato onde os clubes têm interesses em jogo até o fim. Como o público sabe disso, porque os valores são PUBLICADOS, (e não como aqui, em que a Globo não revela – são vazados na Imprensa), os estádio ficam lotados da primeira à última rodada, e as partidas são jogadas com motivação.

Como está sendo feito aqui na “Terra de Santa Cruz”, além de prejudicar a marca dos Clubes, porque estão fora da Sul-Americana, a priori, de nada adianta o bom trabalho do Atlético Paranaense. É anão, continuará sendo anão, porque anão não pode crescer!

E o Futebol Brasileiro, com esse calendário inchado, e essa mentalidade de “shows” a todos os dias, vai morrendo devagar. Campeonatos pouco competitivos (estaduais falidos), média de público baixa, ingressos de valores acima dos cobrados na Alemanha e Inglaterra, onde o poder aquisito da população é muito superior ao daqui, violência nos estádios, times medíocres.

O Movimento Bom Senso Fc é um ótimo começo, mas resolve parte do problema. A outra parte cabe aos nossos dirigentes, CEO´s e de Marketing, pugnando pela criação da Liga Brasileira, e um novo modelo de calendário que permita aos clubes disputar um Brasileirão muito forte, além das competições internacionais oficiais e amistosas (volta das excursões e do intercâmbio com os clubes europeus e asiáticos), tudo para gerar mais receitas por conta própria, e ter estádios lotados o ano todo.

premier league

Direitos Televisivos

Receitas TV dos clubes da Premier League em 2010/11

Junho 13, 2011 Futebol Finance: Direitos Televisivos

Na temporada de 2010/11, o Manchester United foi o clube que maiores receitas gerou (£60.4 milhões, cerca de 68.4 milhões de Euros) através da partilha/distribuição das receitas da Premier League, oriundas da venda colectiva de direitos de transmissão televisiva.

Esta distribuição de receitas, provêm da venda colectiva dos direitos de transmissão da liga Inglesa de 2010 a 2013, que gerou apenas no Reino Unido mais de 2.000 milhões de Euros, e em direitos internacionais mais de 1.600 milhões de Euros. A receita obtida pelo actual campeão inglês, ultrapassou pela primeira vez a barreira dos £60 milhões, tendo o clube aumentado a sua receita TV em cerca de 9.2 milhões de Euros, em relação ao à época de 2009/10.

Forma de distribuição das receitas TV

Parte Igual – Todas as equipas receberam uma fatia igual de £13.8 milhões (15.6 milhões de Euros) correspondente à venda de direitos efectuada no Reino Unido e outra de £17.9 milhões (20.2 milhões de Euros), referente às vendas efectuadas a países fora do Reino Unido. No total cada equipa arrecadou um valor igual de £31.7 milhões (35.9 milhões de Euros).

Performance – Por performance desportiva (classificação obtida na temporada 10/11), os clubes receberam um prize money de £756 mil (856 mil Euros) por cada lugar obtido na tabela classificativa; assim o último classificado West Ham United recebeu £756 mil e o primeiro classificado Manchester United redebeu 20 vezes mais £15.1 milhões (17.1 milhões de Euros).

Audiência – O restante montante foi distribuído consoante o número de jogos de cada clube que foi transmitido ao vivo. Assim, cada clube recebe £485 mil (549 mil Euros) por cada jogo transmitido ao vivo em que participe. O número de jogos a transmitir ao vivo varia entre um mínimo de 10 e um máximo de 26 dos 38 possíveis.

Receita TV dos clubes Ingleses em 2010/11. Confira a seguir os valores distribuídos aos clubes, com um clique na linha abaixo:

distribuição dos direitos televisivos da Premier League Inglesa 2010 – 2011

Foram distribuído pelos clubes da Premier League £952.7 milhões (1.080 milhões de Euros), a que são acrescidos mais £60.1 milhões (68.1 milhões de Euros), distribuídos pelos clubes que desceram de divisão nas últimas 2 épocas (Burnley, Hull City, Middlesbrough e Portsmouth). Desta forma o total anual distribuído ascende aos £1.012 milhões (1.147 milhões de Euros).

Em média cada clube da Premier League obtêm £47.6 milhões (53.9 milhões de Euros), sendo que o clube com menor receita obteve £39 milhões ( 44.2 milhões de Euros) e o clube com maior receita alcançou os £60.4 milhões (68.4 milhões de Euros).

NOTA: Os valores foram convertidos para Euros, utilizando a cotação ( 1 GBP = 1.1333 / 1 EUR = 0.8824 ) de 13.06.2011.

FONTE:http://www.futebolfinance.com/receitas-tv-dos-clubes-da-premier-league-em-201011?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+FutebolFinance+%28Futebol+Finance%29

espanholização do futebol brasileiro

E o processo/projeto da TV Globo de transformar o futebol brasileiro em Futebol Espanhol segue de vento em popa, com toda a força à frente!

Não basta um calendário caótico, não bastam ingressos caros, fora do padrão do torcedor brasileiro (salário mínimo de R$678,00), não bastam campeonatos estaduais falidos, de estádios vazios, e clubes pequenos dominados por empresários. Não! Tem que concentrar mais a renda em dois clubes, embora, tenham de fato as maiores torcidas. Mas aonde está a meritocracia que poderia premiar Cruzeiro e Atlético Mineiro, por exemplo?! (para ser imparcial na análise). Belíssimas campanhas fazem Flamengo e São Paulo este ano, hein?! Merecem muito receber R$170 e R$110 milhões de reais, respectivamente! Com relação ao Flamengo, a Adidas não pensa assim….Quem sabe assim, a Globo não monta para o Rubro-negro um time que possa ter outras pretensões, além da de parar de lutar para não cair todos os anos?

Porque será que o Futebol Alemão e o Inglês não seguem este modelo espanhol, agora copiado pela Globo?! Por que será que na Espanha já está se revendo os critérios de distribuição de cotas?!

Este calendário brasileiro combinado com esta perversa concentração de receitas, que ignora o mérito/desempenho da temporada anterior, matará os clubes pequenos, apequenará os clubes médios e os demais Gigantes do nosso Futebol, a médio prazo! Isso é matemática, não é opinião política!

Enquanto isso nossos dirigentes seguem reféns da Globo até 2016, assinando passivamente contratos leoninos e atentatórios contra suas próprias marcas, e permitindo que a emissora e a CBF os impeçam de participar da Copa Sul-Americana, bem como de excursionar na Europa e Ásia. Ou seja, de internacionalizarem suas marcas ampliando seus mercados, como os europeus já fazem há décadas!

Até um clube da 2ª divisão da Inglaterra (Leeds United, por ex.) consegue se organizar melhor em termos de gestão e marketing do que qualquer clube brasileiro.

Pobre “rico” e amador futebol brasileiro.

Confira como ficarão os contratos de televisão dos clubes a partir de 2016

A coluna Pobre Futebol Rico, publicada no último domingo, na Folha de S. Paulo, explicitava o aumento próximo a 60% do dinheiro pago pelo contrato da Rede Globo com os clubes da Série A a partir de 1 de janeiro de 2016. Mas ficou devendo a lista completa de quanto cada um ganha e quanto ganhará. Até quatro anos atrás, a tabela oferecia R$ 25 milhões para Corinthians, Flamengo, Vasco, São Paulo e Palmeiras, R$ 18 milhões para o Santos, R$ 16 milhões para Fluminense, Botafogo, Atlético MIneiro, Cruzeiro, Grêmio e Internacional. Veja abaixo quanto cada um recebe hoje e quanto receberá a partir de 2016. A tabela não inclui o pay-per-view. Quanto mais torcedores inscritos no canal Premiere um clube tem, maior a porcentagem do que recebe à parte pelo sistema pague-para-ver.

1. Flamengo e Corinthians – De R$ 110 milhões/ano para R$ 170 milhões/ano

2. São Paulo – De R$ 80 milhões/ano para R$ 110 milhões/ano

3. Vasco e Palmeiras – De R$ 70 milhões/ano para R$ 100 milhões/ano

4. Santos – De R$ 60 milhões/ano para R$ 80 milhões/ano

5. Atlético-MG, Cruzeiro, Grêmio, Internacional, Fluminense e Botafogo – De R$ 45 milhões/ano para R$ 60 milhões/ano.

6. Outros integrantes da Série A – De R$ 27 milhões para R$ 35 milhões/ano

Fonte: ESPN – Blog do PVC